A retirada do seio após um câncer de mama é desafiadora para qualquer mulher. Todas as mulheres que passam por isso podem reconstruir a mama?

Existem diversos tipos de cirurgia para o tratamento de um câncer de mama, desde a retirada apenas do tumor mais simples, o carcinoma in situ, até a retirada total da mama envolvendo pele e tecidos adjacentes, em muitos casos fazendo-se necessária até a retirada de tecido muscular e gânglios linfáticos da região.

O tipo de cirurgia é decidido pelo médico e sua extensão e tecidos envolvidos dependem do estágio em que se encontra o tumor, que pode variar desde um pequeno nódulo até casos mais avançados com comprometimento de pele, tecidos adjacentes e linfonodos que são os casos onde a cirurgia se torna mais radical, chegando a ser necessária a remoção das aréolas e mamilos.

É colocado uma prótese de silicone?

Para a reconstrução mamária também existem diversos tipos de técnica, porém nem todas requerem próteses, seu uso é frequente, mas não obrigatório. Nos casos de perda dos mamilos, a reconstrução é possível e em geral utilizamos enxertos de pele retirados da vagina.

A mulher perde completamente a sensibilidade depois do câncer e reconstrução?

Também depende do tipo de cirurgia realizada. Se a paciente é submetida a uma quadrantectomia (retirada parcial da mama), normalmente a sensibilidade será mantida. Nos casos mais avançados onde são necessárias grandes retiradas, seguramente haverá perda de sensibilidade.

Para quem já tem prótese, ela pode atrapalhar os exames de prevenção?

Esta é uma discussão que os americanos mantiveram por muitos anos, afirmando que as próteses mamárias prejudicavam os exames de ultrassom e mamografia dificultando o diagnóstico. Porém, após muitos anos de controvérsias, concluiu-se que não eram as próteses que comprometiam o diagnóstico e sim que tanto a ultrassonografia quanto a mamografia nem sempre são capazes de detectar um resultado conclusivo, sendo a margem de erro igual entre pacientes com ou sem próteses mamárias. Tanto que no Brasil nunca houve a proibição do uso como chegou a haver nos Estados Unidos.

Quanto tempo depois da retirada dos seios pode fazer a reconstrução?

Este tempo é muito relativo, dependendo do tipo de cirurgia que foi realizada, sendo muitas vezes possível a inclusão de próteses na mesma cirurgia em que é feita a retirada do tumor, cirurgia semelhante a realizada pela atriz Angelina Jolie, no caso dela feita como medida preventiva, opção da paciente diante de evidências concretas de propensão ao aparecimento de tumores malignos.

Uma dúvida sobre amamentação: dizem que a amamentação pode reduzir as chances de câncer de mama. Quem tem prótese de silicone consegue amamentar normalmente? E quem fez redução dos seios também?

A amamentação tem diversas vantagens tanto para a mãe quanto para os filhos, porém amamentar ou não, não tem influência no aparecimento de tumores

Quem deseja realizar a cirurgia para implantes mamários e tem a intenção de ter filhos e amamentar, não deve fazer a cirurgia pela incisão periareolar e sim pela axila ou pelo sulco submamário, nestas duas ultimas técnicas não há cortes no tecido mamário nem atrapalham a amamentação, pela aréola há risco de prejuízo na alimentação.

Pacientes que fazem cirurgia para redução das mamas, dependendo ta técnica, não têm problemas para a amamentação, apenas em casos de reduções muito grandes pode haver comprometimento, até impossibilitando a amamentação após a cirurgia.

Para saber mais sobre a causa do câncer de mama que a Sabrina apoia, clique aqui.